A importância de um diagnóstico rápido em exames de eletroencefalograma

eletroencefalograma

O eletroencefalograma, também conhecido como EEG, é um exame que analisa a atividade cerebral espontânea, medindo as ondas cerebrais com a ajuda de eletrodos colados em seu couro cabeludo, e conectado a uma máquina que registra a atividade elétrica do cérebro.

O exame, que não é invasivo, monitora anormalidades neurológicas, podendo assim ser utilizado para diagnóstico tanto de doenças psicológicas e neurológicas, quanto para doenças infecciosas e degenerativas.

Assim, neste artigo explicamos como os exames de EEG funcionam e como é possível ter diagnósticos rapidamente dos exames. Então continue a leitura e tire todas as suas dúvidas!

Para que serve o exame?

Geralmente, as pessoas têm determinados padrões de ondas cerebrais quando acordam, dormem ou fazem atividades diferentes. Algumas condições podem causar padrões que podem chegar a ser anormais.

O exame EEG se aplica a um grande número de áreas. Como resultado, sua prescrição acaba sendo recorrente nos consultórios em todo o país.


O médico pode exigir o exame para identificar doenças, assim como :

  • Convulsões: são ondas de atividade elétrica anormal no cérebro. Esse quadro faz uma pessoa desmaiar, se mover ou se comportar de forma estranha. Assim, um EEG pode dar ao médico informações sobre essas crises.
  • Tumor cerebral: lesão cerebral, problemas de sono ou problemas de memória.
  • Cirurgia no cérebro: um médico também pode solicitar um eletroencefalograma para verificar a atividade cerebral de uma pessoa em coma.
  • Distúrbios do sono.
  • Epilepsia;
  • Suspeita de alterações da atividade cerebral;
  • Casos de alteração da consciência, como desmaios ou coma, por exemplo;
  • Detecção de inflamações ou intoxicações cerebrais;
  • Complemento da avaliação de pacientes com doenças cerebrais, como demência, ou doenças psiquiátricas;
  • Observar e acompanhar o tratamento da epilepsia;
  • Avaliação da morte encefálica.

Inclusive, qualquer pessoa pode realizar um eletroencefalograma, pois não há contra-indicações absolutas. Entretanto, é recomendado que seja evitado em pessoas com lesões de pele no couro cabeludo ou pediculose (piolho).

Quais os principais tipos de eletroencefalograma?

Existem 6 tipos de exames de EEG, cada um tem suas particularidades, mas em geral, todos atuam de forma similar, através dos eletrodos fixados no couro cabeludo por meio de uma pasta condutora de eletricidade. Os tipos são:

EEG Rotineiro:

É a modalidade mais comum, que dura entre 20 e 40 minutos. Nesse tipo, é solicitado ao paciente que movimente os olhos, faça exercícios respiratórios ou que fique diante de uma luz pulsante.

EEG com Mapeamento Cerebral: 

Esse é um dos mais novos recursos da medicina. O Mapeamento Cerebral, como o nome indica, cria um mapa de cores e sinais a partir da atividade cerebral detectada. É um campo ainda em evolução.

EEG Ambulatório: 

Trata-se de uma versão “portátil”, digamos assim, do EEG tradicional. Aqui, o paciente pode continuar desempenhando as suas atividades durante o exame, tomando assim apenas algumas precauções. Nesse caso, a atividade cerebral é monitorada ao longo de um dia inteiro.

EEG em Sono:

É utilizado especialmente para verificar possíveis distúrbios do sono. Dessa forma, o paciente precisa passar a noite no hospital com os eletrodos fixados no couro cabeludo. Para garantir um sono profundo, em alguns casos pode ser solicitado que o paciente se prive de uma noite de sono antes do exame.

EEG em Sono com Foto:

É similar à opção anterior, mas nesse caso são captadas fotos ou vídeos para que o médico possa entender, por exemplo, o que acontece antes, durante e depois de uma convulsão. O exame, nesse caso, é realizado em um período que varia entre 3 e 7 dias.

EEG Prolongado: 

Caso aconteça algum incidente durante o exame, como um ataque epilético, o médico pode optar por prolongar o EEG por tempo indeterminado. Dessa forma a ideia é que seja possível avaliar com mais detalhes a gravidade da situação.

Como a telemedicina auxilia na interpretação do exame?

Como explicado anteriormente, a execução do exame é simples, porém sua interpretação requer conhecimentos profundos sobre o tema.

Com a telemedicina, as clínicas podem melhorar a realização dos procedimentos através do laudo à distância. O exame é feito nas dependências da clínica e enviado pela internet para equipes de médicos especialistas, que analisam o resultado e então retornam com o laudo completo, também de forma online.

Após a implementação da telemedicina, não é mais preciso contar com especialistas na clínica, como um neurologista, apenas para laudar os exames. Então a entrega do laudo é feita no mesmo dia ou, em casos de urgência, em questão de minutos após o envio.

Dentre as principais vantagens para o laudo EEG à distância, estão:

  • Otimização do trabalho;
  • Laudos com agilidade e qualidade;
  • Laudos feitos sob demanda;
  • Aluguel de equipamentos de ponta;
  • Proteção e organização de arquivos;
  • Maior facilidade para o atendimento dos pacientes;
  • Aumento no volume de atendimentos;
  • Disponibilidade de segunda opção médica quando solicitada;
  • Laudos salvos em nuvem;
  • Menor custo.

Portanto, para realizar esse serviço, a Telecárdio oferece laudos à distância para exames de eletroencefalograma de forma personalizada, entendendo as necessidades dos clientes, e fornecendo laudos no mesmo dia em que o exame foi realizado.

Por fim, entre em contato com a nossa equipe e saiba tudo sobre os nossos equipamentos médicos em comodato.